EDUARDO PAIVA LOPES, A AUTORIA É PATRIMÓNIO

20/05/14

A 25 de Julho de 1967, o chefe de Estado, Almirante Américo Thomaz acompanhado de alguns ministros e do General França Borges, à época, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, inaugurava as piscinas municipais dos Olivais em Lisboa com pompa e circunstância. Inauguração com grande festa e demonstrações de natação, ainda a tempo de receber, dias depois, o Torneio das Seis Nações (com a participação da Bélgica, Espanha, Noruega, País de Gales, Suíça e Portugal). Aníbal Barros da Fonseca e Eduardo Paiva Lopes, pais do projecto, não poderiam estar mais felizes com a concretização das primeiras piscinas municipais na cidade de Lisboa. O projecto era composto por uma piscina de 50 metros com condições olímpicas para receber competições internacionais, um tanque de saltos acompanhado de uma estrutura de para saltos de desenho relevante e singular, e um edifício de apoio para balneários, serviços, maquinaria e manutenção. Mais tarde, Keil do Amaral e José Pessoa desenhavam os complexos do Campo Grande e do Areeiro respectivamente, proporcionando à cidade, para além de equipamentos dotados de qualidade funcional, obras de relevância estética.

Contudo, e perante o quadro dos arquitectos descritos, gostava de dar relevância ao arquitecto Eduardo Paiva Lopes. A sua intervenção nas piscinas dos Olivais é notável, sabendo que não muito longe dali, projectou em conjunto com mais três colegas os edifícios do Hotel Lutécia, do Teatro Maria Matos e do Cinema King. Também aqui, à imagem dos Olivais, um conjunto de equipamentos de qualidade, facto agora assinalado a quando do levantamento do património arquitectónico do séc.XX. O processo de levantamento acabou por se tornar numa ferramenta de protecção, preservação e defesa deste património, datado mas com qualidade “vintage”. Em 2006 e 2007, a arquitecta Helena Roseta no seu papel enquanto vereadora levantou a sua voz na defesa da obra dos Olivais, apeasar do esforço, a futura intervenção, através do projecto de origem castelhana para reestruturação do actual “Complexo Desportivo dos Olivais” traduzir-se-à na completa desfiguração e desrespeito pelo objecto original. 

Recentemente fui confrontado com a possível demolição de outro edifício da autoria de Eduardo Paiva Lopes, a casa dos Magistrados na cidade do Fundão. Edifício residencial que servia de residência aos magistrados colocados na Comarca do Fundão. Prédio localizado na avenida central, em propriedade total com dois pisos de uso independente. Apresenta uma fachada poente com sistema de portadas em madeira muito interessante e inovador na região, apresentando uma orgânica funcional na procura da luz e na gestão das dinâmicas quotidianas. Peça de valor inquestionável e que vive, também ela, no impasse da demolição. Perante esta afronta à dedicação e memória de Eduardo Paiva Lopes, vale o prémio Valmor atribuído pelo município de Lisboa, ao edifício do banco Credit Franco Portugais no já longínquo ano de 1985.

20_05_14
Pedro Novo