JOSÉ PIRES BRANCO, UM BEIRÃO MODERNO

18/08/15

Em 1948, o primeiro Congresso Nacional de Arquitectura revela primeira vez, uma leitura mais estratificada do pensamento arquitectónico português em relação às propostas do Movimento Moderno. Percebe-se através das atas, uma aceitação da proposta e algumas interpretações reveladores de conhecimento de causa. Duas décadas, onde Carlos Ramos e Keil do Amaral eram duas faces da moeda. Por um lado a força do academismo clássico das belas artes enraizado em cânones estéticos, e por outro, um sangue novo vanguardista e muito critico à posição actual com uma actuação virada para uma arquitectura de leitura moderada das mais arrojadas vanguardas.

José Pires Branco com formação nas Belas Artes do Porto no decorrer da década de 40, partilha os estiradores com uma geração que vivia esta transição de pensamento. Dos demais, destacam-se os nomes de Agostinho Ricca, Fernando Távora, José Carlos Loureiro ou Rogério de Azevedo. Após a sua formação, parte para Lisboa acabando por sediar o seu ateliê na vila do Fundão em conjunto com arquitectos da sua geração. Perante um panorama difícil economicamente com consequente escassez de encomenda, a escolha do Fundão acabou por ser feliz, na medida em que Pires Branco conseguiu encetar um sem número de obras construídas na região, aliando paralelamente actividade no ensino, cinema, televisão (RTP), desenho, gravura e cargos na administração central. No levantamento do seu espólio, no arco de tempo entre a década de 50 e 80 do séc. XX é possível contabilizar 40 habitações unifamiliares, 9 igrejas, 8 planos de arranjos exteriores, 30 planos de urbanização e cerca de 50 projectos/planos dos mais diversos edifícios de complexidade variada.

Se a sua arquitectura bebia de uma linhagem moderna tropical brasileira, o uso combinado do betão das estruturas entrecruzado com paramentos de granito rebocados no seu interior, produziu uma tectónicidade construída. Estes processos construídos permitiram verdadeiras aproximações ao passado numa procura das raízes vernaculares que a arquitectura popular tradicionalmente produziu. É neste sentido moderado que Pires Branco assume a “linhagem” de pensamento de Keil do Amaral, onde a “enclausura” do interior do país lhe permitiu definir o seu percurso com maior discernimento e sensibilidade pela envolvente construída. 

José Pires Branco afigura-se como uma das figuras mais importantes e interessantes no panorama da arquitectura moderna da região centro interior do país. Com um portfólio inigualável em quantidade e qualidade, a sua capacidade inventiva permitiu desenvolver uma obra ecléctica na produção da escala e versátil nas respostas aos desafios programáticos dos seus clientes. A sua singularidade é manifestamente representativa da sua importância numa geografia que no seu tempo fora despida de profissionais de arquitectura. Hoje a sua obra é estudada e analisada por permitir desvendar os mistérios do "modernismo" e as transições do vernáculo na construção menos erudita da Beira Interior. Os movimentos em torno da sua obra, que hoje possibilitam o desenvolvimento de processos de classificação de algumas das suas obras, permitem com segurança definir José Pires Branco como uma das figurais mais importantes da chamada "geração moderna portuguesa".

18_08_15
Pedro Novo