SUPERMODERNOS

12/11/13

O Movimento Moderno, força destemida com leme de betão foi domesticada pelo capital e lógicas financeiras após a Grande Guerra, dilui-se na estética e assumiu um papel de protagonista nas questões “mais sociais”. Já o chamado pós-modernismo através do contextualismo, adquire expressão que avança mais tarde para o descontrutivismo filosófico de Derrida, Deleuze e companheiros. Esta “evolução” da “condição” moderna é hoje assumida por muitos como uma era supermoderna, onde os lugares deram vez aos “não lugares” de Marc Áuge. Com a velocidade que as sociedades actuais imprimem nas suas dinâmicas internas, o “lugar” historicista e enraizado no contexto do pós-modernsmo transformou-se através da maior mobilidade, do bombardeamento de signos e informações e na produção de elevados níveis de anonimato nos espaços públicos. Deste modo os não lugares assumem-se como auto-redomas relativamente à localização, envolvente e por outro lado extremamente permeáveis aos diferentes usos e lógicas ligadas às redes de informação e interesses económicos dos quais, cada vez mais, são fatia importante. A actual percepção de lugar e uso do espaço é consideravelmente diferente do final do séc. XX pelo incremento do comércio mundial e do expansionismo que a “net” permitiu na disponibilidade e obtenção de informação.

Como Ibelings afirma, agora o “mundo tornou-se menor e, ao mesmo tempo, maior”, na exacta medida em que, por um lado, a facilidade na difusão da informação na “rede” tornou o mundo mais pequeno, por outro lado a actual possibilidade de comunicação e interacção de indivíduos que anteriormente pela distância espacial não lhes seria possível interagir, torna o mundo maior.

 

Perante os flashes da ribalta a actual arquitectura distancia-se da era pós-moderna através de vontades tecnocráticas que procuram uma resposta ao livre capital das cidades cosmopolitas e necessidades das empresas. Esta arquitectura que se coloca ao serviço da modernização, como parte do processo económico apresenta-se livre de qualquer justificação social de apoio ou assistência. O paradigma terá de mudar em resposta ao esvaziamento do conceito económico do continente europeu e americano e como solução para 

estruturar o desenvolvimento dos países do continente africano e asiático.

12_11_13
Pedro Novo